Carta de Lula oficializa Fernando Haddad como candidato à Presidência da República pelo PT

217

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad foi aprovado por aclamação nesta terça-feira (11), em reunião da Executiva do PT, como candidato à Presidência da República pelo partido em substituição ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, impedido de concorrer por ter sido enquadrado na Lei da Ficha Limpa, informou à Reuters uma fonte presente ao encontro.

O anúncio oficial feito na tarde desta terça, na vigília Lula Livre, em frente à Polícia Federal, em Curitiba, onde o ex-presidente cumpre pena por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. “Eu sei que um dia a verdadeira Justiça será feita e será reconhecida minha inocência. E nesse dia eu estarei junto com o Haddad para fazer o governo do povo
e da esperança. Nós todos estaremos lá, juntos, para fazer o Brasil feliz de novo”, diz Lula na mensagem, lida pelo advogado e ex-deputado petista Luiz Eduardo Greenhalgh.
O ex-presidente também pediu abertamente “a todos que votariam” nele, que agora votem em Haddad.

Na leitura da carta, Greenhalgh estava ao lado de Haddad e a mulher do candidato, Ana Estela Haddad; a nova candidata a vice, Manuela D’Ávila (PCdoB); a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR); e a ex-presidente da República Dilma Rousseff, entre outros.  “Ação, omissão e protelação” do Judiciário A “bênção” de Lula a Haddad completa o processo de troca de candidato presidencial do PT, no último passo de uma coreografia em que o partido jamais quis admitir a existência de uma alternativa eleitoral ao ex-presidente — nem mesmo quando ele foi condenado em segunda instância, o que o levou para a cadeia e a torná-lo inelegível, segundo a Lei da Ficha Limpa.A estratégia do partido sempre foi a de não tomar a iniciativa de substituir Lula, deixando nas mãos dos juízes os vetos ao ex-presidente como candidato. No entanto, hoje se esgotava o prazo determinado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para a troca de candidato, e recursos para garantir Lula nas urnas ainda não haviam sido analisados pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Assim, havia o risco de o PT ficar sem candidato a presidente.

Em sua carta, Lula acusou o Poder Judiciário, por “ação, omissão e protelação”, de privar o país “de um processo eleitoral com a presença de todas as forças políticas”, e afirmou que “foi incluído artificialmente na Lei da Ficha Limpa para ser arbitrariamente arrancado da disputa eleitoral”. “É diante dessas circunstâncias que tenho de tomar uma decisão, no prazo que foi imposto de forma arbitrária. Estou indicando ao PT e à Coligação ‘O Povo Feliz de Novo’ a substituição da minha candidatura pela do companheiro Fernando Haddad, que até este momento desempenhou com extrema lealdade a posição de candidato a vice-presidente”, disse o ex-presidente na mensagem. Lula voltou a questionar a legitimidade de sua condenação e a dizer que “talvez nada disso tivesse acontecido” se não liderasse as pesquisas ou se abrisse mão de sua candidatura.

Na pesquisa Datafolha de 22 de agosto, última em que seu nome apareceu, Lula tinha 39% e liderava com folga. O nome de Haddad como substituto de Lula foi aprovado pouco antes das 14h pela Executiva Nacional do PT, em medida que apenas formalizou uma decisão já
tomada pelo ex-presidente. Mesmo ungido por Lula, Haddad nunca foi unanimidade entre lideranças do PT e continua desconhecido de boa parte do eleitorado. Com a confirmação do ex prefeito como candidato, serão postos à prova o poder de Lula como fator de união
do PT e como cabo eleitoral.
No Datafolha de segunda (10), Haddad teve 9% das intenções de voto, atrás de Jair Bolsonaro (PSL) e empatado tecnicamente com Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB).