Francisco do PT na luta pela regularização fundiária da zona urbana de Bodó

126

Não existe um morador da zona urbana de Bodó que possua escritura do seu imóvel. Para mudar essa realidade, o deputado estadual Francisco do PT, que desde o início do mandato se somou à essa luta, participou nesta terça-feira (08) de duas audiências, uma na DATANORTE e outra na CEHAB, articuladas pelo seu mandato, para tratar da regularização fundiária do município, localizado na região do Seridó Potiguar.

Francisco do PT ressaltou que é difícil a situação dos que vivem na zona urbana de Bodó. “São mais de 600 imóveis, toda a zona urbana de Bodó sem regularização fundiária. Os prejuízos para a cidade e, principalmente, para os moradores são enormes. Eles ficam impedidos, por exemplo, de realizar algumas transações bancárias, de investir na própria cidade, o que interfere diretamente no desenvolvimento local, na geração de emprego e renda”.

Para a diretora-Presidente da Companhia de Processamento de Dados do RN – DATANORTE, Rosângela  Fonseca, a governadora Fátima Bezerra é sensível com o pleito e é de interesse do governo do RN fazer a regularização fundiária de Bodó. “Temos um processo em curso, iremos analisar e concluí-lo com maior celeridade, e, dentro da legalidade, apresentar alternativas para resolver essa questão”.

De acordo com o presidente da Companhia Estadual de Habitação e Desenvolvimento Urbano (CEHAB), Pablo Thiago Lins, será feito uma reunião com a diretoria da DATANORTE para alinhar as tratativas sobre a temática. “Assim que a DATANORTE apresentar o parecer do processo em curso iremos nos reunir e tocar o processo”.

O prefeito de Bodó, Marcelo Porto, destacou a regularização fundiária é um sonho antigo da população e a ausência da titularidade impede o município de crescer. Acompanharam o prefeito, o vereador Rany, o presidente do Sindicato dos Servidores de Bodó, Nego do Sindicato, o presidente do PT local, José Reis e Severino Dionísio

Por fim, o deputado Francisco do PT fez apelo para que seja dada toda atenção e prioridade a essa demanda, pois é uma reivindicação antiga e que a população carece de que seja concretizada.