A Política de saúde da “ambulancioterapia” deve ser revista

A Política de saúde da “ambulancioterapia” deve ser revista
Redes Sociais

O pós-pandemia deve impor aos gestores e legisladores uma ampla discussão, com setores técnicos da sociedade, quanto às estruturas mínimas de Saúde Pública nos municípios.

A política da “ambulancioterapia,” praticada há décadas, claramente se revelou um fracasso. Apenas transfere problemas de pequenos municípios para polos de saúde, como Natal e Mossoró. Cria a falsa ideia de “assistência”, com bônus a prefeitos e deputados/vereadores e permanente ônus ao erário desses grandes municípios.

Também está na mesa a questão de um equipamento que deveria ser obrigatório nos municípios: respirador mecânico.

Ambulâncias

Até o fim de abril deste ano, segundo levantamento à ocasião que o Tribuna do Norte fez, 123 dos 167 municípios tinham esse aparelho vital.

Na legislatura passada, a Assembleia Legislativa ‘doou’ (o verbo aqui é eufemismo) 85 ambulâncias a prefeituras. Foi o jeitinho encontrado pela casa para atenuar críticas à não devolução de sobras orçamentárias ao Governo do RN, além de servir de propaganda indireta para os parlamentares à boca de uma campanha eleitoral.

Fonte: Carlos Santos.


Redes Sociais

djaildo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *