Apoio a Bolsonaro divide caminhoneiros e bloqueia manifestações

Apoio a Bolsonaro divide caminhoneiros e bloqueia manifestações
Redes Sociais

A postura de caminhoneiros diante dos recentes aumentos de preço dos combustíveis vem sendo influenciada pela polarização política que divide a categoria, segundo entidades ouvidas pela reportagem.

Enquanto muitos mantêm apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL), como em 2018, outros se decepcionaram e fazem críticas ao mandatário.

As lideranças também acusam umas às outras de interesses pessoais, que estariam minando a capacidade de mobilização.

Uma caravana contra a atual política de preços da Petrobras, marcada para começar no dia 20 em Curitiba (PR), por exemplo, estaria sendo atrapalhada por esse racha político, afirma José Roberto Stringasci, representante em São Paulo da ANTB (Associação Nacional de Transporte do Brasil).

Ele diz que já foi chamado de bolsonarista e de comunista. “A maioria [das lideranças] não luta para melhorar nada para o Brasil, luta por si próprio ou para tentar algum benefício para as entidades deles. Uns são a favor do governo, outros são contra, mas acho que deveriam ver mais o lado dos brasileiros, esquecendo um pouco essa parte política”, diz.

Para contornar as acusações e reforçar o caráter apartidário da caravana, ele afirma que resolveu pintar a carreta de verde, amarelo e vermelho -seria uma forma “não desagradar ninguém”, diz.

Presidente da CNTRC (Confederação Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas), Plínio Dias avalia que o calendário político tem feito com que várias lideranças dos caminhoneiros prefiram ser cautelosos para não bater de frente com os apoiadores de Bolsonaro.

Como Stringasci, ele também tenta articular uma mobilização -nesse caso, para 21 de maio, data de início da paralisação de 2018, que parou o país.

“Quando a gente lança um grito de mobilização, [algumas lideranças] querem confundir as pessoas, como se estivéssemos fazendo movimento político para tirar Bolsonaro do governo, coisa que não existe na nossa pauta.”

Na sua visão, a intenção desses dirigentes é usar o nome da categoria para se lançar candidato nas eleições no final do ano.

Dias afirma ter votado no presidente em 2018, mas agora prefere se manter neutro, apesar de ser filiado ao Progressistas, partido que faz parte da base do governo no Congresso.

“Não estou declarando o meu voto para o Bolsonaro porque eu atendo gente da direita, da esquerda, do centro, tudo certinho. Na campanha passada, gastei do meu bolso viagens para fazer campanha para o presidente Bolsonaro. Mas hoje não faço mais isso não”, diz ele, apesar de não descartar a possibilidade de votar novamente em Bolsonaro.
Dias afirma ter esperança de que a desarticulação da categoria mude à medida que outros estados sigam os caminhoneiros autônomos do Espírito Santo, que decidiram começar uma paralisação a partir desta quinta-feira (12).

Folha Press


Redes Sociais

djaildo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.