Brasil precisa de 154,4 milhões de doses para grupos prioritários

0
127

84 996140787

Francieli Fantinato, coordenadora do PNI (Programa Nacional de Imunizações) disse nesta 3ª feira (26.jan.2021) que o país precisa de 154 milhões de doses para imunizar os grupos prioritários contra a covid-19. Ela afirmou que aproximadamente 77,2 milhões de pessoas têm preferência. O Brasil tem, até o momento, 12,1 milhões de doses: 10,1 milhões da CoronaVac e 2 milhões da Oxford/AstraZeneca.

Fantinato apresentou as informações durante videoconferência sobre orientações para profissionais de saúde acerca da vacinação contra a covid-19. Ele também afirmou que o cronograma da vacinação contra a covid-19 será detalhado em notas técnicas conforme as doses forem disponibilizadas.

Também participam Marcela Alvarenga, assessora técnica de atenção básica do Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde), e Nereu Mansano, assessor técnico de vigilância em saúde do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde).

Mansano afirmou que “voltamos a ter uma média semanal de casos diários semelhante ao que tínhamos no pior período da pandemia, em agosto. Nós não imaginávamos isso”. Ele também disse que a vacinação será “um grande desafio” e que “as medidas de prevenção como o isolamento social e o uso de máscara nem sempre foram assimilados da forma como gostaríamos pela população”.

Marcela Alvarenga afirmou que os municípios tem autonomia para definir as estratégias específicas de vacinação. Ela também ressaltou que “pela 1ª vez na história do PNI, a vacina está sendo nominal”.

A identificação permite saber qual fabricante da vacina que a pessoa recebeu, rastrear aqueles que não retornarem para receber a 2ª dose da vacina e a qual grupo prioritário a pessoa pertence.

Fantinato alertou que “ainda não existem estudos de intercambialidade de vacinas”. Ou seja: não se conhece as consequências de receber a 1ª dose da CoronaVac e a 2ª da AstraZeneca.

PRIORIDADES
Mansano declarou que o governo precisou “escolher a prioridade dentro da prioridade”. Eis os grupos prioritários:

Todos os trabalhadores da área de saúde;
Pessoas com 60 anos ou mais em instituições (como asilos);
Indígenas que vivem em aldeias;
Pessoas com deficiência que tenham 18 anos ou mais em instituições;
População idosa (60 anos ou mais);
Comunidades tradicionais ribeirinhas e quilombolas;
População em situação de rua;
Pessoas com comorbidades;
Trabalhadores da educação;
Pessoas com deficiências permanentes e severas;
Trabalhadores da segurança e de salvamento;
Funcionários do sistema prisional;
População privada de liberdade;
Trabalhadores do transporte coletivo;
Transportadores portuários e rodoviários de carga.

De acordo com Fantinato, ainda não é possível determinar quando cada um dos grupos será contemplados. “Quando tivermos os cronogramas de entrega dos fornecedores, ficará mais fácil de fazer essa projeção”.

PODER360

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui