Começa a se delinear o processo sucessório do RN com vistas às eleições de 2022

Começa a se delinear o processo sucessório do RN com vistas às eleições de 2022
Redes Sociais

Há pouco mais de um ano para a realização de eleições no Estado, este processo até bem pouco tempo parecia calmo, pois não se tinha um candidato para  enfrentar a governadora Fátima Bezerra (PT), na busca de sua reeleição. Mesmo não realizando uma boa gestão, herdou do ex-governador Robinson Faria quatro folhas de salários dos servidores em atraso. Um gargalo que, ainda, emperra sua administração. Mesmo assim tem conseguido pagar parte destas contas mas, à proporção que vai se aproximando o período de campanha eleitoral, surgem muitos pretendentes ao cargo, até agora pelo menos 4 e, com perspectivas de que esta fila aumente. São muitas as conversas de gabinetes, alpendres praianos e sertanejos com muitas conjecturas para 2022. Nós que fazemos a imprensa política a nível de RN, já com certa noção de quem realmente saíra às ruas a pedir votos. A dizer aqui que alguns, colocam seus nomes apenas como forma de se valorizar e ser cooptado a disputar algum outro cargo eletivo. Nos últimos 30 dias temos visto de tudo, como por exemplo, um pré candidato ao senado a dizer querer ser Governo.

Fátima Bezerra

Candidata natural, situação, de certa forma confortável, pois tem o poder nas mãos. Estagnada nas intenções de votos. Pelo menos é o que mostram os institutos de pesquisa. Está no topo da parede mas, já começa a sair de seu gabinete, sua sala de conforto e procurar conquistar votos. Nos últimos dias tem botado o pé na estrada. A caminhada é longa, ela sabe disto. Tem de se desdobrar não só na conversa com o povo mas, mostrar obras.

Enfrenta Problemas

E muitos. Quem pensa o contrário, está redondamente enganado. A governadora Fátima Bezerra precisa estabelecer parcerias caso queira ser reeleita. E com nomes fortes da política do RN. E aí as barreiras, como por exemplo a vaga de senado. O ocupante da cadeira, Jean Paul Prates, não se vê disposto em cedê-la a outro. E isto já fez com que conversas que ela mantinha com o deputado Walter Alves, do MDB, fossem travadas.

Carlos Eduardo (PDT)

Prefeito por 4 vezes da cidade de Natal, até poucos meses atrás mostrava-se calado. Ultimamente pouco para em casa. As notícias dão conta dele visitando o Estado, justamente nas regiões mais distantes e onde pouca gente sabe quem o é. Sempre vencedor em suas campanhas, menos na de 2018, quando foi derrotado por Fátima Bezerra. Agora, em busca de apoio para ser senador. Mas falar em pré-candidato a governo é tarefa difícil. Está na luta.

Benes Leocádia (Republicanos)

Um corajoso, a ponto de abrir mão de suas benesses no Congresso Nacional, para onde foi alçado com a maior votação no RN e tomar para si o desafio, a missão de enfrentar a atual governadora nas urnas. Tem a seu favor a história vitoriosa de administrar Lajes, o maior município do Sertão Central potiguar por 5 vezes. A constar de sua passagem pela presidência da Federação dos Municípios do RN (FEMURN). Ganha ímpeto sua empreitada.

Benes Leocádio II

É de ligação forte com prefeitos do MDB e, mesmo que estes líderes não lhe declarem apoios, outros virão. Mas dentre os que já se encontram na caminhada, podemos citar: José Alexandre, de Pedro Avelino; Anibal Pereira de São João do Sabugi; Gilson Dantas de Carnaúba dos Dantas e Jackson Dantas de São José do Seridó. Estes já claramente determinados em seguir com Benes Leocádio. Mas as conversas, articulações tem andamento. Aguardemos.

Styvenson Valentim (Podemos)

Também é pré-candidato a governador. Mau teve conhecimento do resultado das urnas em 2018 e já se colocou postulante ao cargo. Está em Brasília graças à vontade popular, mas assume comportamentos desnecessários e, a não propiciar-lhe boa colocação na campanha. Sempre a dizer que não quer negócio com político e, negar sua existência, sua profissão. Tenta voltar atrás e se propaga através dos meios de comunicação.

Álvaro Dias (PSDB)

Prefeito de Natal e a exercer forte influência neste processo. Eleito em 2020 no primeiro turno. Forte poder de deliberação e, pelas conversas que tenho acompanhado, deverá optar por Benes Leocádio. Mas isso ainda não passa de especulações. Ele e o deputado pré candidato já se encontraram para café da manhã e, claro, não só para “forrar a barriga”. São dois homens de experiência não só na função de parlamentar como também na de executivo.

Solidariedade

O partido “fiel da balança”. É quem pode decidir o processo. Tem em seus quadros, o prefeito da segunda maior cidade do Estado, no caso o jovem Allyson Bezerra, de Mossoró, onde realiza exemplar mandato; o vereador Lawrence Amorim, presidente da Câmara Municipal de Mossoró (CMM); e o prefeito de Acari, Fernando Antônio. A sigla conta ainda com 4 cadeiras na Assembléia Legislativa do RN e ainda um grande leque de filiados fortes.

Kelps Lima (Solidariedade)

Em postagens recentes, o deputado estadual tem dito que é pré-candidato a deputado federal e, a postar foto ao lado de Brenno Queiroga, a quem se refere como “meu governador”. Nada de admirar se o Solidariedade também tiver candidato à chapa majoritária de governador. Mas são decisões a serem tomadas pelo grupo. No entanto, é um rascunho a ser feito, com bastante cuidado no uso do lápis e a crer que a agremiação terá nome.

OS Ministros

Estes sim, precisam se alinhar pois, sabemos que é pré campanha com direito legítimo de disputa de cada um. Mas é explícita a imposição que é feita pelo deputado federal licenciado e titular da pasta de comunicação, Fábio Faria (PSD). Quer ser o nome. Já Rogério Marinho, mais pé no chão e tem dialogado com integrantes do grupo. Garantem se acertar e respeitar a escolha. Afinal, são ministros de um mesmo Estado e da base de apoio presidencial.

Fonte: Redenews360


Redes Sociais

djaildo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *