Covid-19: Ministério da Saúde antecipa de cinco para quatro meses a aplicação da dose de reforço

Covid-19: Ministério da Saúde antecipa de cinco para quatro meses a aplicação da dose de reforço
Redes Sociais

Visando o aumento da proteção de todos os brasileros contra a variante Ômicron, o Ministério da Saúde passará a recomendar, a partir de segunda-feira (20), a redução do intervalo, de cinco para quatro meses, entre a segunda dose e a dose de reforço da imunização contra a Covid-19. O anúncio foi feito pelo ministro Marcelo Queiroga neste sábado (18).

“A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir hospitalizações e óbitos, em especial em grupos de risco. A portaria com a modificação será publicada na segunda-feira. Informem-se sobre o calendário vacinal de seu município e veja se já chegou a sua vez”, escreveu Queiroga em seu perfil numa rede social.

O reforço poderá ser aplicado em qualquer pessoa maior de 18 anos que tenha recebido as duas doses de vacina, respeitando o prazo mínimo dos quatro meses após a segunda aplicação. Além disso, o Ministério reitera a importância de se completar o ciclo vacinal e pede àqueles que tomaram apenas a primeira dose para retornarem aos postos de vacinação.

Conforme as orientações emitidas pela Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 (Secovid), a vacina da Pfizer será utilizada como dose de reforço em pessoas vacinadas com os imunizantes Coronavac, AstraZeneca e Pfizer. A opção por essa vacina levou em consideração o aumento da resposta imunológica no esquema heterólogo. De maneira alternativa, os imunobiológicos da Janssen e AstraZeneca também poderão ser utilizados na dose de reforço.


Redes Sociais

djaildo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.