Eleições 2022: Rogério Marinho, Governador e Fábio Faria Senador, diz o Globo

0
483

Rogério Marinho fracassou em 2018 ao tentar se reeleger deputado federal após ter se desgastado ao relatar a reforma trabalhista durante a gestão Michel Temer. Chamado por Paulo Guedes, virou articulador da austera reforma da Previdência aprovada no ano passado. Mas agora, o nome do ministro do Desenvolvimento Regional passou a ser associado a um adjetivo impensável meses atrás: “gastador”. É ele quem lidera a ala do governo que deseja “furar” o teto de gastos para investir em obras, contrariando o titular da Economia.

Por trás da transformação está o desejo de se cacifar como candidato a governador do Rio Grande do Norte, em 2022, e a conquista de uma proximidade com o presidente Jair Bolsonaro ao defender internamente que essas medidas visam à reeleição do chefe. Procurado, Marinho nega pretensões eleitorais e diz ser apenas candidato “a ser um bom ministro”.

Mas colegas da Esplanada e ministros com assento no Palácio do Planalto garantem que o desejo de concorrer ao governo do seu estado natal como candidato de Bolsonaro ajuda a explicar as movimentações de Marinho.

A aliança que está sendo costurada contemplaria ainda a candidatura do ministro das Comunicações, Fábio Faria, para o Senado. O estado hoje é governado por Fátima Bezerra, do PT.

A disputa em torno do tamanho das despesas do governo atingiu o ápice na terça-feira da semana passada, quando Guedes disse, sem citar nomes, que auxiliares do presidente que desejam “furar” o teto de gastos o levariam para uma “zona de impeachment”. A subida de tom do ministro da Economia levou o presidente a convocar uma reunião no dia seguinte para marcar posição em defesa do teto. Na quinta, porém, o presidente afirmou não ver problema nessa discussão.

A pretensão política de Marinho é constantemente citada por Guedes, nos bastidores, numa tentativa de desacreditar o colega. Para o ministro da Economia, os ministros devem trabalhar pela reeleição de Bolsonaro, e não pelos próprios projetos pessoais. E, na avaliação de Guedes, a alta de gastos mais prejudica do que ajuda o caminho do presidente a 2022.Não é isso que pensa a ala “pró-gasto” liderada por Marinho, e que conta também com ministros palacianos. Esses ministros avaliam ser necessário fazer obras, montar uma agenda de inaugurações com a presença de Bolsonaro e construir um programa social forte para reeleger o presidente. Na próxima sexta, inclusive, ao lado de Marinho e Faria, Bolsonaro deve ir ao Rio Grande do Norte para participar de uma cerimônia de entrega de títulos fundiários.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui