Festas de São João vem perdendo sua identidade com a substituição do Forró Pé de Serra, por outros ritmos de musicas

Festas de São João vem perdendo sua identidade com a substituição do Forró Pé de Serra, por outros ritmos de musicas
Redes Sociais

Volta e meia a polêmica ressurge e o forró como carro chefe nos grandes festejos juninos, fica por vezes, relegado ao segundo plano. Percebemos que tradicionalmente, os festejos juninos possuem uma característica voltada para o forró, e são celebrados com danças e comidas típicas, bem como trajes e decorações caipiras e o forró nordestino tradicional que deu origem a essa grande festa popular do Brasil, e em especial da região Nordeste.

Os festejos juninos são comemorados em todo o país, mas foi no Nordeste que se tornaram uma grande tradição, especificamente na zona rural com a matutada dançando um autêntico forró pé de serra num chão batido embaixo de uma latada de sapé, ao som do Trio Nordestino, Luiz Gonzaga, Assisão dentre tantos renomados artistas regionais.

A canção “Olha Pro Céu”, composta por Luiz Gonzaga e José Fernandes, traz uma mensagem lírico-poética da verdadeira festa junina:

Olha pro céu, meu amor

Vê como ele está lindo

Olha praquele balão multicor

Como no céu vai sumindo

Imortalizada pelo “Trio Nordestino” a canção “Chililique”, composta por J. B. Aquino e João Silva mostra o autêntico forró nordestino:

“O maior forró pelo que eu ouvir dizer

É na praia da ilha, você pode crer

Que as dez da noite, o forró já tá de pé

Sanfoneiro abre a sanfona e só se vê chegá mulher

Há que se ressaltar que a festança junina transcendeu os limites rurais e adentrou às grandes cidades, onde se aglomeram milhares de pessoas. Destacando-se Caruaru em Pernambuco, Campina Grande na Paraíba, Mossoró no RN, como os principais polos de apresentação. Ocorre que, em detrimento da cultura regional, surge um espírito comercial e, sendo assim, a festa de São João é ameaçada de perder sua identidade.

Ritmos como o pancadão, axé music, sertanejo universitário, brega, pagode, e em alguns casos bandas e cantores descontextualizados e sem conteúdos, denegrindo a imagem da mulher, incitando a diversidades sexual, e frases de baixa calão, dentre tantos outras coisas obscenas, vêm ocupando um espaço nas festas juninas que tradicionalmente era ocupado pelo forró, o que tem sido constantemente motivo de protesto por diversos artistas regionais das raízes forrozeiras e o público que defende a preservação dessa identidade cultura das festas juninas  .

No ano de 2017, um manifesto político-cultural assinado por diversos artistas renomados apontou uma desproporcionalidade, em que artistas regionais que expressam o autêntico forró pé de serra foram preteridos diante de outros ritmos já citados. O poeta Bráulio Tavares foi de uma sensibilidade ímpar ao escrever este poema:

“Deixe o batuque do axé

pro carnaval da Bahia

e a insana pornografia

não troque no arrasta-pé.

Rapariga e cabaré?

Em nenhuma ocasião.

E o forró da ostentação

Reinando o falso interesse?

Não faça um negócio desse,

Deixe junho pro São João.

 Pelo menos uma vez

Esqueça Michel Teló

E deixe eu dançar forró

Os trinta dias do mês.

Um disco de Marinês,

O gogó de Assisão

E o nosso Rei do Baião,

Cantando Zé Marcolino,

Só esse mês é junino,

Deixe junho pro São João.

 Com seu povo tenha zelo,

Respeite nossa raiz,

Não ouça o cantor que diz

Que o melhor é o desmantelo.

Deixe a escova do cabelo

De Wesley Safadão

Pro Programa do Faustão

Que aqui é outra lisura,

Não mate nossa cultura,

Deixe junho pro São João.

Deixe a tal da muriçoca

Se enganchar no mosqueteiro,

Contrate Alcimar Monteiro

Que nossa música toca.

Deixe o funk carioca

Tremendo seu paredão

Pra quando uma guarnição

Passar baixando o volume,

Perca esse fútil costume,

Deixe junho pro São João.

Nós precisamos parar

A superficialidade,

Pois cultura de verdade,

Jamais pode se apagar.

É triste se constatar

Essa covarde inversão,

E o povo sem ter noção

Do próprio valor que tem:

Faça a você esse bem:

Deixe junho pro São João”.

Fonte: Blog Gilberto Dias


Redes Sociais

djaildo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.