Fim do auxílio emergencial deve deixar 38 milhões sem assistência, diz FGV

0
310

O fim do auxílio emergencial em dezembro deve deixar cerca de 38 milhões de brasileiros sem assistência, segundo estima estudo da FGV (Fundação Getulio Vargas). O número corresponde às pessoas que receberam a 1ª parcela –de 1 total de 67 milhões –, mas que não estão inscritas no CadÚnico (Cadastro Único) e, sendo assim, não vão receber o Bolsa Família depois do fim do benefício emergencial.

As informações foram divulgadas pela Folha de S. Paulo nesta 3ª feira (6.set.2020).

O número representa 61% da parcela da população que recebeu o auxílio emergencial. Segundo o estudo, mais da metade desses trabalhadores (64%) são informais, 74% deles têm renda até R$ 1.254 e são em sua maioria pessoas de baixa escolaridade, com no máximo o ensino fundamental (55%).

O levantamento da FGV foi feito por meio dos dados referentes ao mês de agosto da Pnad Covid-19, pesquisa feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para mensurar os efeitos da pandemia sobre o mercado de trabalho e a saúde dos brasileiros.

O estudo também diz que sem o auxílio emergencial, essa parcela da população teria registrado uma queda de 12% de seus rendimentos, na comparação à renda regular antes da pandemia. Com o benefício, o ganho médio de renda foi de 38%. As perdas e ganhos são similares ao do universo total de beneficiários do auxílio, de 11% e 37%, respectivamente.

A pesquisa não diferencia, porém, a parcela da população que recebeu o auxílio indevidamente. De acordo com relatório do TCU (Tribunal de Contas da União) de agosto, 6,4 milhões de pessoas se enquadravam nessa situação, incluindo militares e funcionários públicos que sacaram o recurso sem ter direito.

De acordo com o governo federal, todas as parcelas do benefício, 5 de R$ 600 e 4 de R$ 300, serão pagas até o fim de dezembro.

Poder360

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui