Governo do estado publica edital de licitação dos restaurantes populares com redução de quantitativo de mais de meio milhão

Governo do estado publica edital de licitação dos restaurantes populares com redução de quantitativo de mais de meio milhão
Redes Sociais

O Programa assistencial mais importante do RN vai acabar pelo andar da carruagem.

O programa social de Restaurantes Populares do RN, já foi o maior programa de alimentação para pessoas que se encontram em estado de vulnerabilidade do Brasil. Chegando a servir mais de 1 milhão de refeições em um único mês.

Ocorre que desde do início do governo Fátima, o programa vem sofrendo cortes e reduções drásticas. Inclusive noticiado nesse BG e por mais de uma vez as respostas do governo só reforçaram o que informamos.

Enquanto a quantidade de miseráveis e famintos aumenta, o quantitativo de refeições servidas pelo programa só tem reduzido conforme se comprova no edital nº 003/2022/2022 publicado nessa sexta-feira dia 01 de abril, onde se percebe uma redução de 42.570 refeições por mês, apenas nos lotes dessa licitação, representando uma redução anual de 510.840, você não leu errado, são mais de meio milhões de refeições ao ano que a população em estado de vulnerabilidade social deixou e vai deixar de receber. Esse desmantelo já teve até cobertura das televisões ao vivo, filas e filas e as pessoas sem ter a refeição a 1 real naquele dia.

Para melhor ilustrar apresentamos a tabela abaixo com os quantitativos de cada cidade:

Cidade/Local do Programa Quantidade antes do Governo Fátima Quantidade no Governo Fátima
Santa Cruz 1000 refeições diárias 765 refeições diárias
Jardim de Piranhas 400 refeições diárias 300 refeições diárias
Jucurutu 400 refeições diárias 285 refeições diárias
Ceará Mirim 500 refeições diárias 190 refeições diárias
João Câmara 500 refeições diárias 450 refeições diárias
Macau 700 refeições diárias 665 refeições diárias
Natal/ Planalto 500 refeições diárias 330 refeições diárias
Natal/ Pompeia 500 refeições diárias 500 refeições diárias
Canguaretama 500 refeições diárias 330 refeições diárias
São José do Mipibu 500 refeições diárias 230 refeições diárias
Santo Antônio 500 refeições diárias 220 refeições diárias
Areia Branca 500 refeições diárias 400 refeições diárias
Assu 500 refeições diárias 500 refeições diárias
Mossoró 800 refeições diárias 700 refeições diárias
Apodi 500 refeições diárias 500 refeições diárias
São Miguel 475 refeições diárias 475 refeições diárias
Total de Refeições Diárias 8775 refeições diárias 6840 refeições diárias

Manter e aumentar os programas que fornecem refeições ao povo, não é mais uma questão de gestão, mas sim uma questão humanitária e de sobrevivência. Não se pode acabar com um dos poucos alentos para os pobres em meio a inflação galopante e a uma crise econômica/social pós pandemia, onde comprar comida está cada dia mais difícil.

A SETHAS argumenta que as reduções ocorreram em localidades que não serviam a quantidade contratada, não atingindo a meta proposta nos contratos. Contudo devemos fazer uma indagação aos gestores do Governo: porque o excedente gerado com a diminuição dos quantitativos, não foi redirecionado para outras unidades dos Restaurantes onde muita gente fica sem se alimentar devido à pouca quantidade de refeições contratadas? Será que não tem pessoas precisando?

É inconcebível ver o Rio Grande do Norte indo na contramão dos nossos estados vizinhos, que neste difícil momento estão fomentando os programas alimentares. Os Governos que antecederam o atual, investiram e ampliaram os programas que distribuem refeição para a população, levando o nosso Estado a ser destaque nacional nesse tipo de assistência, chegando a distribuir mais de 1 milhão de refeições mensais.

Mas o que vemos atualmente, são pessoas desesperadas, aglomeradas e famintas em filas que se torna cada vez maior, em busca de um prato de comida que em breve não será mais servido.

Fonte: Blog do BG


Redes Sociais

djaildo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.