Mês do Idoso – como viver melhor depois dos 60 anos

Redes Sociais


O número de casos de suicídio entre pessoas com mais de 60 anos aumentou na última década, devido a problemas de saúde e isolamento social, de acordo com o Ministério da Saúde.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) alerta para a importância do cuidado com a saúde mental do idoso. Entre as iniciativas de prevenção, está o desenvolvimento de programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças (Promoprev).
Atualmente, há 1170 programas de Promoprev, sendo 618 programas aprovados pela ANS e 552 informados à ANS. Dos aprovados, 464 são direcionados para a saúde do adulto e do idoso, o equivalente a 75% das iniciativas. Dos programas informados à ANS, 112 são específicos para os idosos.

O mês de outubro começa com o Dia Internacional do Idoso (1º). A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1991, e reforça os termos da Resolução 46 dos Princípios das Nações Unidas para o Idoso. O objetivo é sensibilizar a sociedade mundial para as questões do envelhecimento, além de destacar a necessidade de proteção e cuidados com essa população.

Mais de 2 milhões de brasileiros vivem com alguma forma de demência

O psiquiatra Alisson Marques explica que o processo de envelhecimento inclui diversas mudanças. Muitas vezes o idoso já se aposentou, então ele perde uma funcionalidade, aquilo que às vezes deu sentido à vida dele por muito tempo. Com os filhos já crescidos, também não tem mais aquela demanda de quando eram pequenos.

“Do ponto de vista biológico, ele já tem uma velocidade de processamento com maior dificuldade, às vezes uma menor resistência e menor força. Aí ele começa a perceber esse processo, o rol de amigos dele já está reduzido, muitas vezes um irmão já se foi e lidar com a proximidade da finitude, da morte em si às vezes um cônjuge, o marido ou a esposa também já foram. Então é um processo muito difícil, muito delicado que deve ser conduzido da maneira mais saudável possível”.

O psiquiatra dá dicas de como evitar que os idosos se sintam sozinhos e acabem desenvolvendo doenças como a depressão:

  • Inserir o idoso em atividades sociais;
  • Estimular a participação em atividades físicas, como por exemplo, a caminhada;
  • Caso tenha alguma religião, incentivar a frequentar os encontros dos grupos.

Lia Nesser é assessora de comunicação da Associação São Joaquim, que atende pessoas idosas. Ela destaca a importância da conscientização dos cuidados com essa faixa da população.

“Todos nós queremos completar o ciclo de vida inteiro, chegar à velhice, conseguir ressignificar a experiência de vida e continuar contribuindo com a sociedade numa troca de cuidados”.
Fonte: Brasil 61


Redes Sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *