Sintomas da ômicron: saiba quais são os principais sinais que têm levado infectados a buscar testes de Covid

Sintomas da ômicron: saiba quais são os principais sinais que têm levado infectados a buscar testes de Covid
Redes Sociais

Dor de garganta e cabeça, coriza, dores musculares, fadiga, febre e tosse seca. Esses são os principais sintomas da variante ômicron do novo coronavírus, já responsável pela maioria dos casos de Covid no Brasil.
Infectologistas ouvidos pelo g1 ressaltam que a ômicron, com suas dezenas de mutações em relação ao vírus original, tem uma tendência de infectar áreas superiores do trato respiratório, como a garganta, o que explica a ocorrência desses sintomas.
Essa diferença na apresentação clínica da doença faz com que quadros de perda de paladar e olfato, dificuldade para respirar ou falta de ar, sintomas tão característicos do começo da pandemia, sejam cada vez mais raros.
Isso também ocorre pelo fato de que a variante encontra atualmente uma população mais vacinada e que, em muitos casos, já teve um episódio de Covid. Assim, em muitos casos, a variante infecta uma pessoa que já possui alguma resposta imune ao vírus Sars-cov-2 (embora não especificamente à nova variante).
“A ômicron não encontra mais um hospedeiro completamente cru” explica Carla Kobayashi, infectologista do Hospital Sírio Libanês.
Confira abaixo os principais sintomas relatados pelos médicos:
Dor de garganta
Congestão nasal/coriza
Cansaço no corpo ou dores musculares (mialgia)
Fadiga
Febre (em alguns casos, não muito alta e mais comum em adultos)
Tosse seca (geralmente associada à uma irritação na garganta)
Problemas estomacais (mais raros)
Os sintomas se assemelham aos relatados pelo Zoe COVID Symptom Study, um projeto da Universidade King’s College de Londres. O estudo, que registra, via smartphone, como centenas de milhares de pessoas infectadas estão se sentindo no Reino Unido, indicou que os britânicos estão apresentando os cinco principais sintomas: nariz escorrendo, dor de cabeça, fadiga (leve ou grave), congestão nasal/coriza, dor de garganta.
Os pesquisadores compararam dados de dezembro de 2021 (quando a ômicron se tornou dominante no Reino Unido), com dados do início de outubro (quando a delta era a dominante).
“Com a ômicron não temos essa característica. Eu só vi um único caso desde então”, destaca.
G1


Redes Sociais

djaildo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.