Trocas partidárias reduzem em 36% número de partidos na Assembleia do RN

Trocas partidárias reduzem em 36% número de partidos na Assembleia do RN
Redes Sociais

A formação de chapas competitivas para as eleições de outubro, aproveitando a  janela partidária para a formação de nominatas, terminou alterando, substancialmente, a configuração dos partidos com representação política na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Metade dos 24 deputados estaduais aproveitaram a janela partidária de 30 dias, encerrada na sexta-feira (1º), para a troca de partidos sem correr o risco de perda de mandatos. O movimento de novas filiações partidárias dos deputados estaduais reduziu em 36,3% o número de partidos na Assembleia, que caiu de 11  legendas para sete. Cinco partidos deixaram de ter bancada na ALRN: MDB, que tinha dois deputados; PROS, DEM, PSC e Republicanos, que contavam com um deputado,  cada.

Outros partidos diminuíram o número de parlamentares. O Partido Liberal (PL) perdeu os três deputados que tinha, mas filiou o deputado Coronel Azevedo (PSC). O PSB tinha dois deputados, ficou com um, o deputado Souza Neto, que decidiu não disputar a reeleição por questões familiares e o PSD, que também tinha três deputados, também perdeu dois e passou a contar apenas com o deputado  Jacó Jácome, que, segundo fontes, não disputará a reeleição.

De 11 partidos representados antes da janela partidária, continuam com a mesma bancada: o PT, com os deputados Isolda Dantas e Francisco do PT e o Solidariedade, com os deputados Cristiane Dantas, Subtenente Eliabe e Kelps Lima, que não será candidato à reeleição, pois decidiu disputar uma das quatro cadeiras a deputado federal pelo Rio Grande do Norte. Já o PSDB não perdeu nenhum deputado. Cresceu. Tinha cinco, filiou mais sete, e termina a janela partidária com 12 parlamentares, no atual mando.

Por outro lado, o Partido Verde (PV), que não elegeu deputados nas eleições de 2018, passou a contar com quatro parlamentares na recomposição das bancadas da Assembleia – deputados George Soares (ex-PL), Eudiane Macedo (ex-Republicanos), Vivaldo Costa (ex-PSD) e Hermano Morais (ex-PSB).

Mudanças anteriores

No decorrer da atual legislatura (62ª), outros eventos políticos já haviam induzido mudanças nas bancadas da Assembleia Legislativa, como a incorporação e fusão de partidos que não ultrapassaram em 2018 a cláusula de barreira (número mínimo exigido de votos para ter acesso ao fundo eleitoral e tempo de propaganda em rádio e TV). Em 2019, a deputada Cristiane Dantas trocou o PPL pelo Solidariedade e ainda os deputados Ubaldo Fernandes e Eudiane Macedo deixaram o PTC pelo PL e Republicanos, respectivamente, e Souza Neto, eleito em 2018 pelo PHS transferiu-se para o PSB.

Por questões internas dos partidos, Hermano Morais havia se desligado do MDB e ingressara no PSB, e os deputados Kleber Rodrigues e Dr. Bernardo, eleitos pelo Avante, filiaram-se depois ao PL e MDB. Coronel Azevedo começou o mandato no PSL, foi para o PSC e agora é PL.

Depois, o deputado Sandro Pimentel foi cassado, substituído por Jacó Jácome e, em 2021, o eleito prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra cedeu a vaga ao Subtenente Elíabe.

Fonte: Tribuna do Norte.


Redes Sociais

djaildo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.