Menina Benigna foi beatificada hoje no Ceará; Saiba a história dela

Redes Sociais


A cidade de Crato, no Ceará, foi palco de uma festa de fé católica nesta segunda-feira (24/10). Mas não é só sobre religiosidade. A beatificação de Benigna Cardoso da Silva, a Menina Benigna, é também o posicionamento contra o machismo e a violência contra as mulheres. Afinal, o dia 24 de outubro de 1941 é a data do martírio de Benigna, quando ela tinha 13 anos e foi morta a facadas, depois de rejeitar seu algoz.

A cerimônia começou às 15h, com um momento da misericórdia (o horário é comumente usado para os católicos rezarem no mundo inteiro pela misericórdia divina, por ser o suposto momento em que Jesus Cristo morreu), seguido por um musical, às 16h. E às 17h, ocorreu a celebração em si. Ao todo, os responsáveis pelo evento esperam 60 mil pessoas no local, o Parque de Exposição Pedro Felício Cavalcanti, em Crato.

O cardeal Leonardo Steiner, arcebispo de Manaus, será o representante do papa Francisco no ato que envolve a primeira beata do Ceará.

“Benigna, em vida, foi vista como uma pessoa santa. Era muito dedicada aos estudos, caridosa, amante da natureza e dos animais, extremamente religiosa, com assídua participação na Eucaristia aos domingos”, conta Danilo Sobreira, coordenador de Pastoral da Paróquia Senhora Sant’Ana de Santana do Cariri, cidade natal da mártir, ao site Vatican News. “E também nutria devoção especial a Nossa Senhora do Carmo a quem sempre invocava para a livrar do inferno”, continua.

Nascida em 15 de outubro de 1928, Benigna perdeu os pais quando ainda era muito nova, e acabou sendo criada pelos irmãos. A história conta que um rapaz chamado Raimundo Raul Alves Ribeiro começou a assediá-la quando ela tinha apenas 12 anos. A menina sempre o rejeitou, até que às 16h de 24 de outubro de 1941, depois de chegar da escola e ir buscar água perto de casa, ela foi atacada por Raimundo com golpes de facão.

“Desde então, ela é invocada como mártir, heroína da castidade, mártir da pureza”, continua Sobreira. De modo espontâneo, os fiéis começaram a ir ao local onde Benigna foi assassinada. Rezavam, acendiam velas e pediam a intercessão. Somente uma cruz fincada no chão marcava o local. Até que em 2004, um grupo vindo de Natal (RN) resolveu construir uma capela em um local próximo. As romarias aumentaram até o ponto em que a Igreja Católica assumiu a causa, em 2013.

A capelinha ficará maior a partir de agosto de 2023. É a data esperada para a inauguração do Complexo de Benigna, na região de Santana do Cariri (CE). É um espaço que está sendo construído com 48 mil metros quadrados, capacidade para 100 mil romeiros, uma estátua de Benigna com mais de 20 metros de altura e um santuário.

Metrópoles


Redes Sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *