Dez mil mulheres agredidas foram atendidas pelo SUS no RN

Redes Sociais


Os registros de agressões físicas sofridas por mulheres cresceram 11 vezes em oito anos na rede de saúde do Rio Grande do Norte. O número saltou de 184 em 2009 para duas mil em 2017, último ano compilado. Na avaliação dos agentes ligados ao enfrentamento à violência de gênero, o aumento significa uma mudança de postura das mulheres, não um aumento de casos. “As mulheres antes sofriam agressões, mas não denunciavam. Hoje, elas se sentem mais seguras para fazer a denúncia”, explica a delegada Helena de Paula, da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam).

A sensação de segurança das mulheres para realizar denúncias melhorou com o estabelecimento das medidas protetivas, criadas na Lei Maria da Penha, em vigor desde 2006. A partir da lei, as mulheres passaram a ser atendidas pelo poder público caso se sintam ameaçadas pelos maridos. A mais urgente é o acolhimento em casas de abrigo, um local com endereço anônimo que foi criado para ser um ambiente de segurança para as vítimas de agressão até que a Justiça puna o agressor.


Redes Sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.