Bolsonaro sugere ‘par ou ímpar’ sobre Rogério Marinho ou Fábio Faria no Senado em 2022

Bolsonaro sugere ‘par ou ímpar’ sobre Rogério Marinho ou Fábio Faria no Senado em 2022
Redes Sociais

Dois ministros potiguares do Governo Federal, Rogério Marinho e Fábio Faria já sinalizaram publicamente que poderão concorrer ao Senado Federal nas Eleições de 2022. Nesta quarta-feira (4), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que espera que haja uma definição entre qual dos dois confirmará a candidatura e falou até em ‘par ou ímpar’ para que essa escolha fosse tomada.

“Ele (Fábio Faria) quer alguma coisa e o Rogério (Marinho) parece que quer a mesma coisa. Quem sabe, no final das contas, tire (sic) um par ou ímpar entre os dois, mas sei que eles vão chegar num bom entendimento. É bom para o estado que os dois continuem na política”, afirmou o presidente, em entrevista à 96 FM.

O presidente acrescentou: “Gostaria de agradecer Rio Grande do Norte pelos dois ministros que nos deram: Fábio e Rogério. São duas pessoas fantásticas que, com toda certeza, eleva o nome do estado. Esses dois não vão ter problemas de eleições futuras”, concluiu.

No final de julho, o ministro das comunicações, Fábio Faria, falou que “seria candidato em 2022 se Bolsonaro quiser” e que estaria com o presidente “para qualquer coisa. Ao portal Poder360, Faria afirmou sua preferência em concorrer ao Senado. “Jamais serei candidato ao governo”, disse.

No mesmo período, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, afirmou que vai analisar a possibilidade da candidatura. “Sou candidato a ser um bom ministro e cumprir a missão. No final do ano ou no princípio do próximo devo me sentar com o presidente para falar de política”, declarou em entrevista ao Radar, da Veja.

LEIA OUTROS TRECHOS DA ENTREVISTA:

Defesa do voto impresso

Se eu quero voto no papel, é para ter certeza. Em quem você porventura votar este voto será contado para aquela pessoa. Denúncias de fraudes temos muitas. De onde aparece a fraude? Do somatório de indícios. Você pega São Paulo, capital, no ano passado, há 99,9% de chance de ter fraudado as eleições. Por quê? Olha só. Quando travou a tela do sistema de apuração em 0, 39% dos votos, do primeiro ao oitavo apareciam os percentuais de cada um deles. E esse percentual foi o mesmo ao final da apuração. Não tem como acontecer isso daí. Isso é uma prova robusta de fraude naquele município. E o que queremos é evitar dúvidas por ocasião do ano que vem. O senhor Barroso, é óbvio, que é pessoal a questão comigo, e ele não vai ganhar na ‘canetada’. Não estamos aqui brigando para mostrar quem é mais homem. É para termos a certeza de quem o povo votou o voto vai exatamente para aquela pessoa. Durante as eleições [2018], várias denúncias e muitos vídeos mostrando que a pessoa ia votar e, na tela, ao colocar o [número] 1 aparece o 13. Ou colocava o 17 e aparecia nulo. Ou colocava 17 e aparecia outro candidato. Não tinha isso ao contrário. Tentei apertar o 13 e o voto ia para outra pessoa, por exemplo. A suspeita era enorme de manipulação das eleições. Porque, quando se fala de internet, não existe sistema seguro.

Escolha do novo partido

Por enquanto , não. Tenho várias propostas. Espero resolver, rapidamente, esta questão da filiação política e partidária, até para ter um norte definido para as eleições do ano que vem.

Preço do gás de cozinha

O preço lá, quando é engarrafado, custa R$ 45. E chega a R$ 100, R$ 110 no  final da linha. o imposto federal é zero. Eu zerei o imposto federal do gás. Então, o que passa dos R$ 45 vai para o ICMS, que é cobrado pelo respectivo governador do Estado, vai para o frete e vai para a margem de lucro de quem está vendendo. Então, no meu entender, podia ser R$ 60 ou R$ 65, no máximo, o preço do botijão. Eu fiz a minha parte: zerar o imposto do gás de cozinha.

Novo programa “Vale-gás”

A Petrobras tem um fundo, de mais ou menos de R$ 3 bilhões, para fazer um programa nesse sentido [Vale-gás]. Está bastante avançada esta proposta, e tem alguns pequenos acertos que precisam ser feitos, mas, veja bem, a Petrobras não é minha. Ela também tem a participação do privado também. A ideia é dar uma botijão a cada dois meses para o pessoal do bolsa família. Essa é a ideia do momento.

Aumento no valor do Bolsa-família

A média, hoje em dia, é de R$ 192. Nós vamos elevar o mínimo para R$ 300, podendo chegar a R$ 400. Houve uma inflação, sim. Não só no Brasil, mas no mundo inteiro os alimentos subiram de preço. No Brasil, essa situação foi mais agravada ainda porque estamos enfrentando uma seca enorme, principalmente no Sudeste. E temos, ainda, a questão da geada que queimou parte da plantação. Houve, sim, uma inflação de alimentos. Eu tenho buscado a equipe econômica, dentro da responsabilidade, e o ideal para o Bolsa-Família seriam R$ 400. Isso deve acontecer em novembro e dezembro. Vale para este ano.

Efeitos da pandemia na economia

Teve uma política do “fique em casa, que a economia eu vejo depois”. Eu fui contra isso. Tem tratar a questão do vírus, que mata, e o desemprego, que também mata, com a mesma responsabilidade e de forma simultânea. O Supremo Tribunal Federal falou que esta política não era minha; era dos governadores e prefeitos. E, para o lado de lá [governadores e prefeitos], alguns de boa fé e outros nem tanto, adotaram esta política do lockdown, isolamento, toque de recolher. A desgraça só não foi maior porque o governo entrou em campo com projetos, como o BEm e o Pronampe, que atenderam a economia formal. Acabamos, em dezembro de 2020, com mais empregos criados do que em dezembro de 2019. Por outro lado, temos 30 milhões de brasileiros que ainda vivem na informalidade, que vivem vendendo o churrasquinho na praça, aquele que vende picolé, e essas pessoas [durante a pandemia] foram para a lona. Nós criamos o auxílio emergencial para atender ao mais pobre. Só no Rio Grande do Norte foram R$ 6 bilhões do benefício. Já gastamos com o auxílio emergencial o valor equivalente a 13 anos do bolsa-família.

Retomada da economia

A tendência é voltar para a normalidade tão logo o programa de vacinação avance, temos um dos programas mais avançados do mundo. Então, acabando a questão da vacinação, que a gente espera para outubro e novembro, no máximo, quando todo mundo for vacinado, voltemos à normalidade plena no Brasil.

Vacinação

Eu sei o último da fila [da vacinação]. Já encontrei muita gente apavorada querendo tomar a vacina. Então, não é justo o chefe de estado tomar a frente de um cidadão comum. Vou ser o último da fila. Mas vou tomar a vacina que eu possa entrar no mundo todo. Não posso tomar essa vacina lá de São Paulo, que não está aceita na Europa ou nos Estados Unidos. Eu viajo o mundo todo.

Fundo eleitoral

Essa lei, a lei do fundão é 2017, e eu tenho que cumprir a lei. Não posso sancionar ou vetar o que vem da minha cabeça. Vamos fazer o que a Lei De Diretrizes Orçamentárias manda. Vamos pegar o gasto de 2018, aplicar a correção monetária e sancionar isso daí. Vai dar menos da metade do que foi aprovado no parlamento.

Visita ao RN

Eu me comprometi ficar quatro dias, não consecutivos, com ele [Rogério Marinho] no Nordeste. Vamos percorrer obras, acompanhar a perfuração de poços artesianos e ir lá, mais uma vez, na cidade de Jucurutu. [Visitar a obra de Oiticica], que é uma obra iniciada em 1952 e faltam 5% da obra. Só não vai ser antecipada para o mês que vem pois algumas famílias ainda moram na região que vai ser alagada e que ainda estão em embate judicial. O Rio Grande do Norte, com a Sudene, recebeu R$ 7 bilhões do meu governo. Agora, tem governador e tem governadora que fica se apropriando de obra de terceiro. É lamentável isso aí. Nós tratamos os estados de forma homogênea.

Fábio Faria X Rogério Marinho

“Ele (Fábio Faria) quer alguma coisa e o Rogério (Marinho) parece que quer a mesma coisa. Não pode. Quem sabe, no final das contas, tire (sic) um par ou ímpar entre os dois, mas sei que eles vão chegar num bom entendimento. É bom para o estado que os dois continuem na política”, afirmou o presidente, em entrevista à 96 FM.

Legado do governo

O grande mal do Brasil é a corrupção. Estamos há dois anos sem uma só notícia de corrupção, a não ser as fake news praticadas pela CPI aqui “do fim do mundo”, no Senado, do senhor Renan Calheiro e Omar Aziz. Isso faz com que a gente faça mais com menos recursos. Os Correios, por exemplo, não tinham lucro. A previsão é que este ano chegue a R$ 3 bilhões. Um órgão onde a corrupção começou, de fato, em 2004. O mensalão começou assim. A petrobras  dá lucro, mas gastamos R$ 20 bilhões para  cubrir rombos do PT. Nós não mandamos mais dinheiro para fora do Brasil. Está para chegar às minhas mãos, tudo documentado, o que foi gasto com obras fora do Brasil. Ou seja, o PT não deixou de concluir obras em Cuba, na Venezuela, na Bolívia, e nós estamos investindo dentro do Brasil.

Indícios de corrupção apontados pela CPI do Covid-19 no Senado

Combater a corrupção é uma obrigação nossa, não é virtude. Eu vou ser o primeiro a participar da investigação. (…) Eu sofro ataques constantes. Aqui, na CPI, me acusam de ter praticado a corrupção, onde não compramos uma dose sequer da vacina Covaxin; não pagamos R$ 1 para qualquer vacina. Por que esta acusação? Só Deus me tira daqui. Não vai ser com fake news ou mentiras. O relatório da CPI já está pronto. O que você vai esperar de Renan Calheiros, Omar Aziz, Randolfe Rodrigues? Reviraram tudo e não acharam nada. Tinha vacina para vender no ano passado? A primeira dose foi aplicada, no Reino Unido, em dezembro do ano passado. Falaram que não compramos a Pfizer, das dezenas de e-mail. Verdade. Só que uma das cláusulas contratuais da Pfizer era: “não nos responsabilizamos por efeito colateral”. Como é vou comprar uma vacina dessa. Só depois de o Congresso aprovar a lei autorizando a compra, é que nós compramos. Agora, quem tentou comprar a vacina superfaturada foi a turma do Renan, a turma do Omar. Foi uma emenda deles, do Omar Aziz e do irmão do Renan Calheiros, que disseram para que estados e municípios poderiam comprar qualquer vacina, sem licitação e sem a certificação da Anvisa. Imaginem se isso tivesse acontecido. Agora, o senhor Renan Calheiros não quer investigar a compra de R$ 49 milhões feita pelo senhor Carlos Gabas, que é o testa de ferro do Consórcio Nordeste. Gastou para comprar respiradores e não recebeu um sequer.

Sigilo das informações pessoais

Posso ter sigilo de coisas pessoais minhas por até 100 anos. O que que pediram para mim? Foi a minha cartela de vacina. Vou entregar a minha cartela? Daqui a pouco vou entregar coisas pessoais. Não tem nada de esquisito.

Uso de arma de fogo pela população

Por que o cidadão de bem não pode ter uma arma? Eu tenho uma máxima: além de inibir a violência, a arma coloca todo mundo em igualdade. Eu sou igual a você, você é igual àquela mulher da esquina. A arma de fogo é uma garantia para viver numa democracia. Toda ditadura foi precedida por campanhas de desarmamento. Até a Venezuela, com o Lula presente na campanha. O cidadão de bem que quiser ter uma arma de fogo que a tenha. Isso é questão de segurança e de garantia da nossa democracia.

Com informações da Tribuna do Norte


Redes Sociais

djaildo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *