Kelps Lima lidera a CPI da Covid na ALRN contra Fátima Bezerra

Kelps Lima lidera a CPI da Covid na ALRN contra Fátima Bezerra
Redes Sociais

Definido os nomes dos cinco deputados estaduais que irão compor a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigações dos contratos e licitações firmados ou não durante a pandemia de coronavírus no Rio Grande do Norte.

O instrumento está em andamento na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (ALRN) e analisará ações do Governo do Estado. Ao todo, seis partidos fazem oposição ao governo de Fátima Bezerra (PT) na CPI da ALRN. São eles: PSDB, PSD, MDB, DEM, PSC e SOLIDARIEDADE. O chamado “blocão” reúne 14 deputados e é liderado pelo deputado Kelps Lima (SOLIDARIEDADE), que indicou três parlamentares como titulares: Getúlio Rego (DEM), Gustavo Carvalho (PSDB) e o próprio Kelps Lima. Já Galeno Torquato (PSD), Nelter Queiroz (MDB) e Tomba Farias (PSDB) foram definidos como suplentes.

Já a bancada da situação, que apoia a gestão da petista, é minoria na Assembleia, com dois blocos partidários: PL / PROS / REPUBLICANOS e PSB / PT. O grupo indicou os deputados George Soares (PL) e Francisco do PT como titulares, enquanto o deputado Isolda Dantas (PT) e o deputado Ubaldo Fernandes (PL) serão suplentes na CPI.

INTEGRANTES DA CPI COVID: Kelps Lima (Solidadaridade),Gustavo Carvalho (PSDB) Getúlio Rêgo (DEM) George Soares (PL) Francisco do PT Segundo Kelps Lima, foi acordado com o líder do governo, o deputado Francisco do PT, que caberá a presidência da CPI à oposição, enquanto a bancada do governo fica com a indicação da relatoria.

A escolha dos dois nomes vai ocorrer logo que um CPI para instalado, de acordo com o parlamentar.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que está sendo criada na Assembleia Legislativa para investigação de 12 contratos governamentais na área de saúde pública no período da pandemia de coronavírus. Serão 120 dias de prazo para investigação. A CPI apura 12 contratos do governo potiguar e os gastos desse durante a pandemia da covid-19. Somados, eles chegam à cifra de cerca de R$ 72 milhões.

A compra não concretizada dos respiradores, pelo Governo do Estado, via Consórcio Nordeste, em abril de 2020, é um desses contratados investigados. O ocorrido é usado como ‘arma política’ por adversários da governadora Fátima Bezerra (PT). Eles lançam dúvidas sobre a atuação e a transparência do governo gerido pela petista.

Nas redes sociais, não raro, integrantes da oposição questionam a gestora estadual sobre a compra frustrada. O assunto tem dividido opiniões. Nos bastidores, há quem acredite que o governo levou um ‘calote’, enquanto exista quem prefere aguardar o desfecho da apuração judicial. Com a CPI em andamento em ano pré-eleitoral, deputados estaduais podem usar o momento para desgastar a imagem do governo atual, ao mesmo tempo em que fortalecem seus palanques.

Pesquisa realizada pelo Instituto Agora Sei, no mês de maio, aponta Fátima Bezerra na frente da preferência do eleitor potiguar nas eleições de 2022, tanto na pesquisa espontânea, quanto na estimulada. Tal cenário, contudo, pode ser alterado com os desdobramentos e as possíveis revelações que a CPI possa apresentar no decorrer dos trabalhos.


Redes Sociais

djaildo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *