Operação da PF mira supostas fraudes em licitações da Codevasf, órgão federal sob o comando do Centrão

Operação da PF mira supostas fraudes em licitações da Codevasf, órgão federal sob o comando do Centrão
Redes Sociais

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (20) a ‘Operação Odoacro’, que visa desarticular uma associação criminosa estruturada para supostamente promover fraudes licitatórias, desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro envolvendo verbas federais da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).
A operação é realizada em São Luís, Dom Pedro, Codó, Santo Antônio dos Lopes e Barreirinhas, com 1 mandado de prisão e 16 de busca e apreensão.
Segundo as investigações, há um engenhoso esquema de lavagem de dinheiro perpetrado a partir do desvio do dinheiro público proveniente de fraudes em licitações, que havia sido descoberto anteriormente em uma operação da Polícia Civil, em 2015, no município de Dom Pedro.
Após a operação, os policiais notaram que o esquema criminoso não recuou, ao contrário, acabou crescendo exponencialmente nos anos posteriores, alterando a origem da verba desviada, que passou a ser federal.
Na prática, os criminosos criam empresas de fachada e simulam competições durante as licitações, mas com o real propósito de fazer com que a empresa vencedora seja sempre a do líder do grupo, que possui grandes contratos com a Codevasf: A Construservice.
O jornal Folha de S. Paulo mostrou em maio que a empresa é vice-líder em licitações na Codevasf e se valeu de laranjas para participar de concorrências públicas na gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL).
Desde 2019, o governo já reservou a ela ao menos R$ 140 milhões, tendo desembolsado R$ 10 milhões disso até agora.
De acordo com a PF, o líder desse grupo criminoso, além de colocar as suas empresas e bens em nome de terceiros, ainda possui contas bancárias vinculadas a CPFs falsos, utilizando-se desse instrumento para perpetrar fraudes e dificultar a atuação dos órgãos de controle.
O nome do líder do grupo criminoso não foi informado. Ao todo, 80 policiais federais cumpriram as determinações judiciais expedidas pelo 1ª Vara Federal de São Luís. Se confirmadas as suspeitas, os investigados poderão responder por fraude à licitação, lavagem de capitais e associação criminosa. Somadas, as penas podem chegar a 16 anos de prisão.
Como a associação criminosa ora desmantelada é liderada por um investigado apelidado de “Imperador”, denominou-se a presente fase ostensiva de “Operação Odoacro”, em referência ao sobrenome do soldado italiano que capitaneou uma revolta que colocou fim ao Império Romano.
98 FM Natal


Redes Sociais

djaildo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.